• Allan Kardec Online

Vendido lote com manuscrito inédito assinado por Kardec - sobre aborto e morte prematura

O lote com o manuscrito escrito por Desliens e assinado por Allan Kardec foi vendido por 1.200 Euros



Em um leilão, realizado na França neste dia 31 de maio de 2021, um manuscrito inédito fez parte de um lote de documentos arrematado pelo valor de 1.200 Euros. Felizmente conseguimos solicitar uma cópia do manuscrito para o leiloeiro que, gentilmente, nos enviou uma cópia por “pdf”.

Providenciamos a transcrição e a tradução deste manuscrito antes que o mesmo e o seu conteúdo fosse para alguma coleção particular e se perdesse do movimento espírita.

Trata-se de um manuscrito com a caligrafia do secretário Desliens datado de 25 de dezembro de 1865 e assinado por Allan Kardec. É uma carta em resposta a questionamentos enviados por um PRÍNCIPE (é assim que o destinatário é tratado por Kardec). O assunto tratado se refere ao entendimento que o Espiritismo dá sobre o aborto e mortes prematuras.

Segue a tradução do manuscrito (vide foto ao final para a transcrição e tradução):


Paris, 25 de dezembro de 1865

Príncipe,

Recebi a carta que me deu a honra de me escrever, mas sofridamente desde algum tempo, tive que adiar a maior parte e minha correspondência.

Queira, por favor, ter a bondade de desculpar minha demora em responder-lhe.

A questão que me propõe se encontra resolvida no "Livro dos Espíritos", Livro II, Cap. VII - União da alma e do corpo, nos 344 e seguintes.

A alma não se une ao corpo apenas no momento do nascimento. Desde a concepção, o Espírito que deve animar o corpo é, por assim dizer, prendido por um laço fluídico que vai se estreitando cada vez mais. A partir de então, começa uma perturbação para o Espírito que cresce sem cessar até próximo do nascimento. As causas de abortos espontâneos e natimortos são puramente materiais. É para o Espírito que encarnou em uma existência perdida e, portanto, à recomeçar.

Segundo a crença religiosa vulgar, a alma não é anterior ao corpo, a cada corpo que se forma uma nova alma é criada e, após a morte, seu destino é irrevogavelmente determinado. Mas em casos de aborto e morte prematura, qual pode ser o destino destas almas embrionárias que não viveram?

Então Deus faria coisas inúteis, ou bem, ele relegaria pela Eternidade uma parte de suas criaturas à inferiorirdade? Isso não é admissível. O Espiritismo, pela pluralidade das existências, pode apenas fazer com que essas anomalias concordem com a justiça de Deus, comprovando a independência da vida espiritual e da vida material.

Queira aceitar, Príncipe, a expressão da minha mais elevada e respeitaosa consideração.

Allan Kardec


Assim que obtivermos mais informações sobre a identidade deste PRÍNCIPE, iremos contextualizar a pesquisa relativa a este manuscrito.

Este trabalho foi efetuado pelo AKOL em parceria com o CSI do Espiritismo e www.ObrasdeKardec.com.br.




4 visualizações0 comentário